Circvlo Beleza 2017



A banda apresenta duas faixas de seu instrumental com toques de post-rock numa pegada mais tropical e descontraída, um lado mais caloroso do quarteto santista, bem diferente do EP de estreia Entrelapso (2016, independente). Ouvindo os dois trabalhos em sequência, percebe-se a variação entre sonoridades ora densas e sombrias, ora festivas e leves, executadas em seus sets ao vivo. 

Na opinião de Túlio Albuquerque, guitarrista da Kalouv, Beleza sai do lugar comum. "Nas músicas dá para ouvir outro lado da produção dos caras, que agora exploram de forma muito legal elementos percussivos, somando isso a um ótimo trabalho de guitarras, baixo e bateria. A presença do trompete em uma das composições é também um charme." 

A primeira faixa, "Eco", te leva para a praia e impõe seu ritmo intenso pelo toque do timbale - além do tambor, a percussão na introdução reforça as referências à música latina. Alternando breves trechos contemplativos com outros pesados, a música segue uma cadência pulsante com riffs enérgicos até o fim. 

"Tiki Taka" vem na sequência, desta vez com violão, trompete e flugelhorn para engrossar o molho do EP. A música tem pausas bem marcantes que lhe trazem certo drama, acentuado ainda mais pelos metais. As cordas tocadas com peso e leveza repentinos conduzem a canção até seu clímax, quando retorna à ambiência de praia e ela termina com uma breve sessão acústica, digna de um luau com fogueira à beira-mar. 

Todo o processo de produção e gravação foi feito com Fábio Gomes, que também gravou o primeiro EP do Circvlo. "Desde os primeiros encontros para gravar o Entrelapso, nos sentimos muito confortáveis para trabalhar com ele. O cara se debruça em cada detalhe da tua música até alcançar uma qualidade sonora absurda", comenta o baterista Sérgio Júnior. 

A arte da capa, um bordado feito pelo Estúdio Hermanas, remete à antiga brincadeira conhecida como cama de gato. No jogo, só se consegue formar as imagens com barbantes a partir de movimentos coordenados com as mãos entre duas ou mais pessoas, outra maneira encontrada pela banda para representar a ideia de conexão. 

Já o nome do EP começou a partir de uma brincadeira com o pai do baterista, que exclama "beleza!” para tudo aquilo que ele acha inspirador. O guitarrista Thiago Gonçalves complementa: "A gente entende essa beleza como as pequenas coisas do dia a dia, a conexão com o nosso próximo, o lance de compartilhar suas vivências com outras pessoas. Nem sempre percebemos esses momentos, mas eles fazem toda a diferença na vida".



Músicas e concepção artística: Circvlo 
Guitarras e violões: Thiago Gonçalves e Kauê Moda 
Baixo: Felipe Almeida 
Bateria e timbale: Sérgio Júnior 

Congas, caxixis, cowbells, shaker e cajon: Ivan Silva 
Trompete e flugelhorn: Fernando Mostaço da Mata 

Gravado entre março e agosto de 2017, em São Paulo, no estúdio de Fábio Gomes 

Comentários